Aluna da academia me deu o cuzinho longe do marido ciumento

(Quer usar este espaço para divulgar algo? clique na imagem.)

Anuncia Aqui

Essa história já tem alguns anos, naquela época eu trabalhava como instrutor em academia e por um tempo trabalhei em uma academia feminina. Roberta era uma linda morena, devia ter uns 33 anos, morena jambo, lábios carnudos, olhos verdes e um corpo estonteante, dessas de parar o trânsito, seios médios e empinados e uma bunda grande, empinada e rígida. Seu marido era um cara ignorante, desses que não aceita que a esposa olhe para os lados sequer, e a colocou na academia feminina para que nenhum homem ficasse olhando ela. Eu era o único instrutor homem de lá, fazia o horário do almoço, que nenhuma professora podia fazer, e Roberta só treinava esse horário porque assim o marido a levava e na volta do almoço a deixava em casa.

(Quer usar este espaço para divulgar algo? clique na imagem.)

Anuncia Aqui

No início ela era tímida, quieta, talvez até por medo do marido, mas eu sentia muito tesão nela, e com o tempo acredito que epa foi percebendo, e aos poucos se soltando. Nesse horário quase não ia ninguém, e eu dava muita atenção a ela, conversávamos muito e ela contava sobre como sofria com o ciúme do marido mas que era de outro estado e dependia dele para viver por não ter emprego. Com o tempo ela passou a me olhar diferente.. com uma certa maldade. Um dia ela me pediu para ajudar ela que queria fazer barra, ela faria o movimento e eu ficaria em frente à ela segurando o quadril, aceitei e a cada movimento ela passava com os seios e a bucetinha raspando em meu nariz e boca, e que bucetinha cheirosa! Eu que estava de bermuda fiquei duro na hora e não tinha como esconder, por sorte estávamos só os 2 na academia. Quando Roberta desceu ela olhou e mordeu os lábios e com força e sem nenhum pudor, agarrou meu pau por cima da bermuda e disse

– Parece que andou malhando aqui também professor, está enorme e tão duro…

Quando fui tirar o pau da bermuda escutamos gente chegando subindo as escadas e tivemos que parar. Sentei com um colchonete no colo e fiquei até amolecer, mas tive que me masturbar no banheiro mesmo, aquilo não saía da minha cabeça. No outro dia eu estava finalizando com uma aluna quando ela chegou, cumprimentou e disse q iria se alongar. Terminei com essa aluna e novamente estava sozinho com aquela gostosa, só de pensar meu pau endureceu, a academia tinha algumas divisórias entre os ambientes e, ao ir até ela tive uma surpresa maravilhosa: Roberta estava de 4 em um colchonete e havia tirado a calça, ficando com um fio dental vermelho que revelava aquela bunda enorme e perfeita, tão desejada por todos, ao me ver ela falou:

Preciso de ajuda professor… pode ficar atrás de mim segurando o meu quadril?

Entrei na brincadeira e a segurei, a safada rebolava sarrando a bucetinha e a bunda gostosa no meu pau que estava enorme e muito grosso. Não aguentei muito tempo e afastei para o lado a calcinha e caí de boca com muita vontade! A safada estava encharcada, e a cada rebolada ela melava meu rosto todinho… estava tão melada que com a língua eu subia o seu mel e espalhava pelo cuzinho. A safada gemia, rebolava e falava: chupa professor, chupa como meu marido nunca vai saber chupar, me mostra o que é um macho de verdade! Em poucos instantes ela gozou, gemeu tão alto que até me lembrei que estávamos na academia, mas não havia ninguém, continuei aproveitando. Roberta me disse que queria muito me chupar mas não aguentava de vontade, para eu meter logo e ela Chuparia outro dia, falei:

(Quer usar este espaço para divulgar algo? clique na imagem.)

Anuncia Aqui

Vamos dar um jeito nisso minha aluna putinha, não quero que passe vontade, hoje você vai ter um homem de verdade dento de você.

Ajeitei o pau na entradinha, passei em seu mel para lubrificar e quando começou a entrar ela disse:

Vai devagar professor, porque meu marido não tem pau, tem um palito se comparar com essa rola grossa.

E eu respondi, você não quer um macho de verdade? Agora aguenta putinha que hoje eu vou te arrombar. Fui entrando lentamente, abrindo caminho, ao chegar na metade soquei tudo de uma vez, a safada gemeu alto e gritou que delícia cachorro, soca na minha Buceta apertadinha filho da puta, acaba com ela. Eu meti forte e sem parar, quando parava a aluna putinha rebolava com força. Tirei o pau e arrastei ela até o banco de um aparelho, ela deitou de frente pra mim é ergueu a camiseta e a top revelando seios perfeitos, eu meti de uma vez só, e passei a mamar naquelas delícias enquanto socava forte na bucetinha, dei vários beijos nela e entre beijos ela falava: Isto que é homem, isso que é pau, não é aquela mixaria que tenho em casa. Nesse momento ela gozou novamente e me pediu,

Goza também professor, goza na tua aluninha safada, não quero ter que parar antes de você gozar…

Falei ainda não putinha, que ainda não te fiz mulher inteira, tirei o pau ensopado da bucetinha e lambi bem seu cuzinho, ela dizia que não, que adoraria me dar mas nunca tinha dado, não iria aguentar. Eu disse novamente: você queria agora aguenta, não mereço esse rabinho?
Ela disse, merece sim gostoso, fode então, mas fode com carinho tá? Meti mais uma vez na Buceta e tirei ele encharcado e comecei a penetrar, a cada centímetro eu parava um pouco para ela acostumar com a dor e não parava de beijar a boca dela, às vezes ela me mordia, mas não pediu para parar nunca, ao entrar tudo ela me olhou nos olhos e disse,

Professor, eu nunca me senti tão mulher na minha vida, obrigado… mete forte agora mete, só não goza no meu cu, quero que goze dentro da minha bucetinha.

Eu comecei a meter forte, a safada gemia e gozou duas vezes seguidas levando no cuzinho, disse nunca ter sentido aquilo e falava palavras desconexas entre os gemidos, eu não aguentando mais de tesão tirei do cuzinho dela e soquei na bucetinha umas 3 vezes e gozei abundantemente dentro da aluna casada, acho que nunca gozei tanto… Tirei o pau dela e falei mata a sua vontade de mamar.. A cachorra abocanhou com tanta vontade que meu pau não amoleceu, me olhou com cara de puta e disse: professor..

Dá leitinho pra sua aluninha casada dá… por favor…

Eu meti forte na boquinha maravilhosa dela e logo estava gozando de novo, a danada chupou até a última gota, ficou brincando com a porra dentro da boca e um pouco caiu no banco, ela então engoliu tudo e ficou de 4 para lamber o que tinha caído enquanto me olhava com desejo e disse, obrigado professor, agora vai ter q me comer sempre, vou ser sua putinha. Nos vestimos para evitar de chegar alguém e seu celular tocou, era o marido que havia chegado buscar ela. Depois disso sempre ela dava um jeito de dar pra mim, acho que transamos em todos os aparelhos da academia.

Gostou do conto? deixe-nos saber com um comentário. E se quiser nos enviar o seu conto faça por aqui:

(Clique na imagem em baixo visite nosso parceiro)

E estes contos já lestes?

Deixe um Comentário. (Proibido divulgar Whatsapp ou emails)

Seu endereço de e-mail nao será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

error: Conteúdo Protegido !!